Idade Média

30 setembro 2012

Tribunal tenta enganar a heroína. Santa Joana d’Arc – 2

Filed under: Uncategorized — idademedia @ 13:45
Santa Joana d'Arco: estátua equestre na Califórnia
Santa Joana d’Arco: estátua equestre na Califórnia

continuação do post anterior

Procura de pretextos

O tribunal devia declará-la ré de contatos com o demônio para desmoralizar sua imensa fama. D. Cauchon procurava um pretexto para declará-la herética, tendo-lhe exigido várias vezes: “Fala teu Pai Nosso”. A santa respondia sempre: “Ouvi-me em confissão, eu vo-lo direi com muito gosto”.

Incomodado pelo pedido, respondeu encolerizado o mau eclesiástico: “Joana, você está proibida de sair da prisão sem nossa aprovação, sob pena de ser assimilada a um culpado convicto de heresia”.

– “Eu não aceito essa proibição. Se eu fugir, ninguém terá direito de dizer que violei a palavra dada porque não a engajei a pessoa alguma”.

– “Em meu país [Domrémy, Lorena] me chamam de Joaninha. Na França, desde que cheguei me chamam de Joana. Minha mãe me ensinou o Pai Nosso, a Ave Maria e o Credo. Eu não aprendi minha fé de mais ninguém senão de minha mãe”.

As vozes sobrenaturais que ela ouvia todos os dias desde o início de sua missão foram um dos pretextos para tentar fazê-la cair em erro ou contradição.

– “Quando é que você começou a ouvir as vozes?”

– “Eu tinha 13 anos quando ouvi uma voz de Deus para ajudar-me a conduzir-me bem. Da primeira vez eu tive muito medo. Esta voz vinha ao meio-dia, durante o verão, no jardim de meu pai”.

A casa de Santa Joana d'Arc em Domremy
A casa de Santa Joana d’Arc em Domremy

– “Eu ouvi essa voz proveniente do lado direito, do lado da igreja, e raramente ela chegava até mim sem ser acompanhada de uma grande luminosidade. Tal luminosidade vinha do lado da voz. E desde que cheguei à França, ouço a voz com frequência. Se eu estivesse numa floresta, também ouviria essas vozes”.

– “Como era a voz?”.

– “Era uma voz bem nobre e acredito que era enviada da parte de Deus. Na terceira vez que eu a ouvi, percebi que era a voz de um anjo. Ele sempre me protegeu. Eu era uma pobre menina que não sabia cavalgar nem fazer a guerra”.

– “E você ouve frequentemente a voz?”.

– “Não há dia que não a ouça, e também sinto muito necessidade dela”.

A “Árvore das Fadas” em Domrémy

Não longe de Domrémy havia uma velha e frondosa árvore chamada “Árvore das Fadas”, onde as crianças se reuniam para brincar, A camponesa Hauviette, casada com um homem do povo de nome Gérard, assim descreveu essa árvore:

– “Havia desde tempos antigos na nossa região uma árvore apelidada “Árvore das Damas”. Os anciãos diziam que ela estava assombrada por damas chamadas fadas. Entretanto, jamais ouvi falar de alguém que tivesse visto as fadas. As crianças da aldeia, mocinhas e rapazes, iam até a “Árvore das Damas” levando pães e nozes, e também à fonte das Groselheiras, no domingo de Laetare Jerusalem, que nós denominamos domingo das Fontes. Lembro-me ter ido com Joaninha, que era minha colega, e outras meninas. Nós comíamos, corríamos e brincávamos”.

Fonte junto à "Árvore das Fadas"
Fonte junto à “Árvore das Fadas”

D. Cauchon voltava ao assunto com insistência obsessiva, e a malícia do tribunal aumentava.

Interrogador: “Então, a voz vos proíbe dizer tudo?”.

Santa Joana: “Eu tive revelações relativas ao rei que não vos contarei”.

Interrogador: “Mas essa voz a que você pede conselho tem rosto e olhos?”.

Santa Joana: “Vós não extorquireis de mim o que quereis. Há um ditado das crianças segundo o qual as pessoas acabam enforcadas por terem dito a verdade”.

As vozes ouvidas pela Donzela

Em 27 de fevereiro houve o quarto interrogatório público. O tribunal ocupou-se das aparições de Santa Catarina de Alexandria e Santa Margarida de Antioquia, pelas quais a Donzela tinha grande devoção.

Interrogador: “Como é que você sabe que estas são duas santas? Você distingue bem uma da outra?”.

Santa Joana: “Eu distingo bem uma da outra pela saudação que elas fazem. Elas enunciam seu nome”. E acrescentou:

– “Eu também recebo conforto de São Miguel”.

Interrogador: “Qual foi a voz que você ouviu primeiro?”.

– “Foi a de São Miguel. Vi-o com meus olhos e ele não estava sozinho, mas muito bem acompanhado pelos anjos do Céu”.

Interrogador: “Você viu São Miguel e os anjos como corpos reais?”.

– “Eu os vi com os olhos de meu corpo tão bem quanto eu vos vejo. Quando eles partiram, eu chorei e desejei muito que eles me levassem consigo”.

Interrogador: “Eles estavam nus?”.

– “O Sr. julga que Deus não tem com que vesti-los?”.

Interrogador: “Que efeito produzia sua presença?”.

– “Vendo-os eu sentia uma grande alegria, e ao vê-los parecia que eu não estava em pecado mortal”.

Interrogador: “Você se julga isenta de pecado mortal?”.

– “Se eu estou em estado de pecado mortal é sem sabê-lo”.

São Miguel, Santa Catarina e Santa Margarida falavam à Santa
São Miguel, Santa Catarina e Santa Margarida falavam à Santa

Interrogador: “Mas quando você se confessa, você não acredita estar em pecado mortal?”.

– “Eu não sei se alguma vez estive em estado de pecado mortal. Acredito não ter praticado más obras. Deus queira que jamais eu tenha caído em semelhante estado! Deus não permita que eu faça uma ação que pese sobre a minha alma!”.

Interrogador: “Você sabe se você está em estado de graça?”.

– “Se eu não estou, que Deus me restaure; e se estou, que Deus me mantenha nele! Eu seria a pessoa mais infeliz do mundo se soubesse que não estou na graça de Deus. Mas se eu estivesse em estado de pecado, acredito que a voz não se dirigiria a mim. Eu desejaria que cada um a ouvisse tão bem quanto eu a ouço”.

No dia 1º de março, os interrogadores voltaram ao assunto.

Interrogador: “Desde a última terça-feira você conversou com Santa Catarina e Santa Margarida?”.

– “Ontem e hoje. Não há dia que não as ouça. Eu as vejo sempre da mesma forma e suas cabeças estão muito ricamente coroadas. A voz delas é boa e bela, eu escuto-as muito bem. É uma bela, doce e humilde voz, e exprime-se em francês”.

Interrogador: “Mas, então, Santa Margarida não fala em inglês?”.

– “Mas como ia ela falar inglês, se não é do partido dos ingleses?”. O interrogador mudou de assunto.

Interrogador: “Você tem anéis?”.

– (Dirigindo-se a D. Cauchon): “Vós, senhor bispo, tendes um que é meu; devolvei-mo”.

Interrogador: “Mas você não tem outro?”.

– “Os borguinhões têm outro que é meu. Mas vós, senhor bispo, mostrai meu anel, se vós o tendes”.

O bispo silenciou.

continua no próximo post
Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: